Carta de um rei temporário

Como todo reino uma dia perde a sua majestade, acredito que reinarei o necessário para dizer meias verdades.

Uma delas é que resgatarei o tempo que muitas pessoas diziam não ter, para institutos como família, natureza e para cuidar do próprio tempo.

Percebi que pouco antes de chegar muitas pessoas vendiam arrogância, só falavam em dinheiro, buscavam a cada dia o que tinha de mais fútil para viver em 24 horas.

Aos poucos, comecei a ganhar a atenção da mídia, de políticos e até das pessoas mais céticas, que nunca se preocupavam com a saúde mental, muito menos com a física.

Hoje, constato que estou ajudando a sociedade a evoluir, pois principalmente no setor público, figuras antes com pouca credibilidade estão se mostrando eficientes e empenhadas, dispostas a combater a minha proliferação e a salvar a vida da população.

Creio que o ser humano tem uma mente incrível e que é adaptável, que mais cedo ou mais tarde sairei de cena, que deixarei o caos e vidas a serem resgatadas por milhões de pessoas.

Mas como praga, agindo em tudo que se desorganiza para se reorganizar, vou contribuir com essa grande lição a ser aprendida pelos 7 continentes.

Meu papel é tornar importante o abraço de um filho, a cura de um Pai, o bom feito de uma colaboradora doméstica, o bom dia de um jornaleiro, o raiar do sol sem tempo para avistá-lo, o poder do obrigado em dias difíceis, enfim, ao fim resgatar um bocado de coisas realmente importantes.

E conforme meus vestígios forem sumindo, ficará bem claro depois de toda guerra passada, que seres humanos de todo o planeta, unidos, quando dão importância ao que realmente faz a diferença em vida, tornam a sua existência mais eficiente e válida.

Isso porque um mundo visto pelo outro lado da riqueza e do poder, ou seja, pelo lado da solidariedade, da honestidade, pelo lado do amor ao próximo e da lealdade, será sempre um mundo mais próspero, mais vivo e digno da vida levar.

Garanto que por aqui me despeço, tendo a conciência que causarei dor e sofrimento a muitos na face da Terra. Mas fiquem com a certeza de que nunca progredirão tanto quanto no período de minha passagem.

Pessoas deixarão de ser invisíveis, serviços antes esquecidos novamente serão lembrados, e até o papel dos cientistas e profissionais da saúde, dentro da sociedade, terá sua importância repensada, quando comparada à de jogadores de futebol, que ganham milhões, os supervalorizados.

Pena pra mim e felicidade de vocês que minha caminhada por aqui vai ser passageira, mas me sinto importante por ter vivido alguns momentos para colocar as coisas em ordem.

                                                    
                              CORONAVÍRUS

            Texto de Hamilton Júnior (Ferrerinha PQD)
                
           https://www.facebook.com/hamilton.junior.5203



Deixe um comentário