Dicas para quem deseja contratar seguro para condomínios residenciais

Saiba o que se deve fazer ao se contratar um Seguro Condomínio

 

 

Sentir-se seguro e protegido em relação aos seus bens, aos seus imóveis e até ao futuro da sua família é um alívio, não é mesmo?

Para ter essa tranquilidade, é comum as pessoas contratarem algum tipo de seguro. Entretanto, além dos mais conhecidos — seguros de saúde, para veículos e de vida —, há outras modalidades essenciais, porém pouco divulgadas.

O Seguro Condomínio é um exemplo.

Este seguro é de extrema importância e sua contratação é obrigatória por lei, mais especificamente pelo art. 1.346 do Código Civil Brasileiro. Esse seguro oferece a garantia de que quando algo der errado, o dano será o menor possível.

Considerado uma despesa ordinária por administradores de casas em condomínio fechado em São Paulo, este seguro deve vir na declaração do condomínio como despesa de manutenção do prédio.

De acordo com outra lei, a 4.591/64, esse seguro deve ser feito no prazo de 120 dias a partir da data da concessão do “habite-se” (documento que comprova que a propriedade foi construída seguindo-se os requisitos estabelecidos pelo código de obras da prefeitura local).

Tanto a lei 4.591/64 como o Código Civil Brasileiro estabelecem a obrigatoriedade de se contratar um Seguro Condomínio que dê cobertura à edificação contra incêndios e qualquer outro tipo de evento que cause danos totais ou parciais ao terreno segurado.

Então, se você administra casas em condomínio fechado, e deseja resgatar seu seguro ou renovar uma das suas políticas da melhor maneira possível, nós preparamos 5 dicas para você. Confira nossas informações e tenha a tranquilidade de fazer a coisa certa.

1. Certifique-se de que o seu condomínio atenda a todas as normas de segurança exigidas pelo Estado

O primeiro cuidado que se deve ter antes de contratar o Seguro Condomínio refere-se à adequação do mesmo às normas de segurança determinadas pelas entidades públicas do Estado.

Esta questão envolve, além da segurança, o pagamento do sinistro, que pode não ocorrer se o condomínio não estiver adequado às normas. Tendo isso em mente, cheque a rede de eletricidade, a estrutura, as condições da garagem, a situação dos elevadores e tudo o mais que julgar importante.

2. Estude qual tipo de contrato de seguro melhor se aplica ao seu condomínio

Desde o ano de 2011 que, para facilitar a contratação dos serviços obrigatórios por lei (explosão, raio, incêndio e até uma possível queda de avião nas áreas comuns), as seguradoras passaram a ter que oferecer aos condomínios dois tipos de cobertura: a básica ampla e a básica simples.

A básica simples protege o condomínio contra explosões de qualquer natureza, incêndios e quedas de raios nos terrenos segurados. Nestes casos, poderão ainda ser contratadas coberturas adicionais, de acordo com os riscos aos quais estiver sujeito o condomínio.

Já a básica ampla protege o condomínio de todo e qualquer evento que possa causar danos materiais ao imóvel segurado, com exceção apenas daqueles eventos que estejam excluídos expressamente do contrato da apólice. Trata-se, portanto, de um seguro que o mercado chama de “all risks”, isto é, contra todo tipo de risco.

Há, ainda, as coberturas contra alagamentos, desmoronamentos e outros fenômenos naturais, que poderão ser oferecidas em ambas as modalidades, sendo que no pacote básico simples tratam-se de “coberturas adicionais”.

A recomendação é que sempre seja realizada a contratação de um seguro que garanta proteção contra todos os eventos a que o condomínio esteja efetivamente sujeito.

Entre esses eventos, destacamos as explosões, quedas de raios, danos elétricos, quedas de aviões, impacto entre automóveis, vendavais, roubos, vidros quebrados e os seguros de responsabilidade civil dos veículos, dos portões e do condomínio.

Vale lembrar que a responsabilidade pela renovação do seguro para terrenos em condomínio fechado em São José dos Campos também recai sobre o síndico em cujo mandato a apólice foi emitida, não se justificando a insuficiência de coberturas em apólices vencidas, como isenção de responsabilidade do síndico no caso de sinistro.

Síndicos de condomínios que ignorarem essa regra estarão sujeitos à multa. Portanto, é essencial a revisão de valores e de coberturas a cada renovação.

3. Reúna-se com os moradores para escolher o tipo de cobertura mais adequado para o condomínio

Discuta com os moradores quais tipos de coberturas que deverão ser contratadas, além da amplitude de cada uma delas. As opções podem ser avaliadas de acordo com a disponibilidade financeira do condomínio, adequando as necessidades ao quadro atual do fluxo de caixa.

A obrigatoriedade da contratação de um seguro para o condomínio afasta do síndico a necessidade de se reunir com os moradores para informá-los sobre o assunto. Todavia, convocar uma assembleia é importante, pois confere transparência aos processos de gestão internos.

Quando estiver se preparando para convocar uma assembleia entre os condôminos, faça uma lista com alguns pontos importantes e necessários a ser postos em discussão.

Como exemplo, devem ser discutidos o custo do seguro, a avaliação das coberturas acessórias e básicas, a escolha da seguradora, a avaliação das necessidades do condomínio, explicações sobre os tipos de cobertura disponíveis e o custo do seguro.

É essencial que os moradores entendam essas informações, principalmente as relacionadas à cobertura do seguro, que pode abranger seus bens privados e esse fato pode deixá-los mais confortáveis em participar do rateio da apólice.

4. Deixe tudo devidamente documentado

Assim que você, em conjunto com os moradores, tiver decidido o tipo de Seguro Condomínio que será contratado, é hora de partir para as anotações. Todo o processo deve ser documentado, desde as vistorias aos terrenos em condomínio fechado até os contratos e avisos de sinistro.

Se for necessário utilizar o sinistro, ele não deve ser avisado verbalmente, por telefone ou por e-mail sem as informações necessárias, que são, por exemplo, o fato ocorrido, quando ocorreu (hora e data), terrenos e bens que foram atingidos e informações sobre os envolvidos.

A falta dessas informações impede o registro formal do sinistro nas seguradoras.

5. Pesquise, pesquise, pesquise

Faça uma pesquisa e compare os preços em diversas seguradoras, além de avaliar os benefícios extras que são oferecidos. Solicite ao seu corretor propostas com coberturas essenciais para o condomínio.

Ao optar pela seguradora de sua preferência, busque o máximo de informações sobre a mesma e certifique-se de que não está com uma má reputação no mercado.

Poder usufruir do apoio de uma corretora confiável de seguros para a contratação da apólice pode ser fundamental para o síndico, uma vez que esse apoio pode simplificar e muito o trabalho de encontrar a melhor seguradora para cada caso em questão.

Compartilhe o post nas redes sociais com os moradores do seu condomínio!




Deixe um comentário