Pintura Predial | Um Guia Prático a Seguir

 

O pequeno guia da pintura predial

Já explicamos a importância do planejamento durante a reforma e a pintura predial. Seja ela grande ou mínima, a mesma deverá ser concentrada em esclarecimentos constantes, conversas com o contratante e certificações, sobretudo, do prazo de entrega da mesma.

Por isso é importante saber todo o envolto que abrange a reforma predial, assim como a pintura (seja de prédio, casas, garagem).

Como já vimos a questão do comportamento e dos direitos do contratante, agora veremos o que o mesmo precisa avaliar antes de contratar uma empresa de pintura para o serviço.

A avaliação geral que abrange a freqüência da pintura predial, a escolha das cores, as reformas necessárias para fazer a pintura… Entre outros fatores.

No entanto, sempre englobando esse mundo que envolve a pintura predial e as empresas responsáveis pelo serviço em comum trabalho com os síndicos e administradores de condomínios e prédios.

O pequeno guia de pintura predial para síndicos

Este pequeno guia engloba um pouco do que é necessário saber em meio a averiguar as empresas no mercado. Para tirar duvidar, sanar questões e contratar a melhor equipe possível para trabalhar na casa dividida entre tantas pessoas.

Para escolher a melhor, é preciso entender um pouco desse mundo da reforma e da pintura predial:

  • A incidência dos fatores extras

O que seriam os fatores extras? Seria tudo aquilo que prejudique a pintura. Logo de cara já podem ser explicitadas três que vem à mente dos síndicos: movimento de carros na rua, sol e mar.

No entanto são os dois primeiros que mais tiram o sono. Isso porque o prédio localizado em uma avenida movimentada tende a acumular mais fuligem, assim como a maior incidência de sol beneficia no combate à umidade.

Entretanto o que mais impressiona é a pouca diferença que faz o mar para a pintura. Tendo pouquíssima diferença, segundo especialistas.

  • Mantendo a pintura em dia

O ideal é que a pintura seja renovada com intervalos recorrentes de cinco e seis anos, em média. O correto é avaliar a incidência dos fatores citados anteriormente para precisar uma data concreta.

Assim exige a Lei nº 10.518/88 regulamentada pelo Decreto nº 33.008/93. Ver mais informações.

Entretanto a principal dica é a realização de lavagens completas na fachada do prédio com intervalos de dois em dois anos. Mantém-se, assim, uma pintura renovada e completamente nova.

  • A melhor época para a pintura

Sem dúvidas o outono. Apesar de muitos acreditarem que o verão seja a melhor estação, engana-se. Isso porque o forte sol pode provocar rachaduras na superfície, prejudicando a qualidade da mesma.

O correto é pintar sempre no outono. O período seco, sem chuvas e com bons ventos ajudam a secar a tinta e propiciar uma boa pintura para a fachada do prédio.

O que mais é necessário saber?

Estas três dicas, basicamente, englobam tudo o que é necessário saber sobre a reforma predial e pintura da fachada. No entanto, mais dois itens são imprescindíveis para destaque. Entre eles estão:

Mudanças parciais da fachada

É uma idéia bastante utilizada, geralmente. Isso se deve ao fato de que, em muitos prédios, há o agente (sol, fuligem) em apenas um lado do mesmo.

Ou seja, realizar uma reforma parcial pode ser a melhor opção existente, ao passo de que uma pintura completa poderia custar muito mais. Um gasto desnecessário, e passível de avaliação.

A importância do contrato

Sempre ressaltada a importância do mesmo, o contrato é a defesa do contratante. É a forma que o mesmo tem de defender o serviço contratado.

Por mais que uma pintura predial para ser algo bastante simples e sem qualquer imbróglio, a mesma pode ser arrastada por horas e o atraso é real.

Portanto, atentar-se a isso é fundamental. Em primeiro lugar, uma empresa séria e dedicada precisa estar por trás do serviço, e, em segundo lugar, você já a encontrou.

Basta nos contatar, fazer seu orçamento que nossos prazos são precisos e sem atrasos.

Trindade Pinturas

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry



Deixe um comentário